Filtro: Vinhos, Portugal, Douro e Vinho do Porto, Quinta do Noval

Região: Douro e Vinho do Porto (Portugal)

Região: Douro Aldeia: Vale Mendiz

Enólogo: António Agrellos

O nome “Quinta do Noval” apareceu pela primeira vez em registros no ano de 1715. A propriedade pertenceu por mais de um século à família Rebello Valente, que recebeu as terras do Marquês do Pombal, poderoso Primeiro-Ministro português em meados do século XVIII. No começo do século XIX o Estado, como resultado de um acordo matrimonial, passou as terras ao Visconde Villar d’’Allen, que era famoso por ser anfitrião de grandes festas no Noval, trazendo dançarinas do Folies Bergères, famosa casa de música de Paris.

Entretanto, nos anos 1880 um revés atingiu a região. O Douro foi atacado pela praga Filoxera e, como muitas propriedades, a Quinta do Noval foi colocada à venda. Em 1894 foi adquirida pelo distinto António José da Silva, produtor de Vinho do Porto. António da Silva revitalizou a Quinta do Noval, replantando vinhas e renovando as adegas e demais prédios da propriedade.

Seu trabalho foi continuado pelo genro, Luiz Vasconcelos Porto, que dirigiu a companhia por quase três décadas. Foi o autor de um vasto conjunto de inovações, transformou os antigos socalcos estreitos em socalcos mais largos, que são característica que distinguem o Noval, com as suas escadas caiadas de branco.
Estes socalcos permitem uma utilização mais eficiente do solo e uma melhor exposição solar, tendo sido considerados revolucionários em sua altura.

Vasconcelos se aposentou em 1963, sendo sucedido pelos netos Fernando e Luiz Van Zeller. A Quinta se manteve na família Van Zeller até 1993, quando foi adquirido pelo grupo Axa Milésimes.

A DECLARAÇÃO DO VINTAGE 1931

A Noval fez a sua reputação com a declaração em 1931 do Quinta do Noval Vintage e do Quinta do Noval Nacional Vintage, que são provavelmente os Vinhos do Porto que mais sensação causaram durante o século XX.

Nesse ano, devido à recessão mundial e à enorme produção e distribuição do Vintage de 1927, a maioria dos exportadores não declararam Vintage. O sucesso obtido estabeleceu a Quinta do Noval entre os grandes nomes do vinho do Porto Vintage nos mercados Inglês e norte-americanos, uma posição de liderança em termos de reputação, que ainda hoje mantém.

QUINTA DO NOVAL: UMA PIONEIRA

A Quinta do Noval constantemente desempenhou um papel de liderança na região do Douro. Criou o conceito dos Old Tawnies com a indicação de idade (10,20 e 40 anos). Também foi a primeira Casa a lançar um Porto Late Bottled Vintage em 1958, com o LBV 1954. Foi assim criada uma categoria totalmente nova de Vinho do Porto, que durante muitos anos foi o tema central de discussões na região.

Sempre pioneira, a Noval continua ainda hoje a desbravar esse caminho, com o exclusivo Quinta do Noval LBV Unfiltered, produzido inteiramente a partir de uvas da Quinta e pisado a pé em lagar, à semelhança dos Vinhos do Porto Vintage.

Mais recentemente, a Quinta do Noval ficou entre as primeiras produtoras de Portos a começar a produzir Vinhos Tintos de mesa do Douro com a marca de sua vinícola.

1993 AO PRESENTE, QUINTA DO NOVAL & AXA MILLÉSIMES: UMA NOVA ERA

Propriedade do grupo francês AXA Millésimes desde 1993, a Quinta do Noval faz parte de um prestigiado património vitícola composto por nomes importantes como a Disznók? em Tokaj, na Hungria, e em França, o Château Pichon-Longueville em Pauillac, o Château Suduiraut em Sauternes, o Château Petit-Village em Pomerol, o Domaine de l’Arlot na Borgonha e o Mas Belles Eaux na região de Languedoc.

A Quinta do Noval replantou desde 1994 100 hectares da propriedade com as castas nobres da região do Douro, adaptando os métodos de plantação e poda às necessidades de cada área. As parcelas foram replantadas com uma casta única adequada ao seu respectivo terroir segundo três critérios principais: a altitude, a exposição solar e tipo de plantação aplicável.

Hoje em dia, as parcelas plantadas com misturas de castas estão progressivamente a desaparecer do Vale do Douro. A Noval foi uma pioneira desta tendência, e a primeira Quinta a replantar e mecanizar os socalcos tradicionais em grande escala conservando intactos os magníficos socalcos com muros de pedra.

Em 1997, foi completado um novo entreposto de engarrafamento em Alijó, próximo do Pinhão. Este projeto fez da Quinta do Noval o primeiro dos exportadores tradicionais de Vinho do Porto a centralizar todas as suas atividades no Vale do Douro em vez de Vila Nova de Gaia.